Baixe o PDF aqui!

ARREPENDIMENTO, RETORNO E CONFISSÃO

          Arrependimento: pesar ou lamento pelo mal cometido; uma mudança de coração e mente.

          As sagradas escrituras a partir do capítulo 3 de Gênesis passam a tratar a respeito do tema arrependimento, retorno e confissão, pois nesse referido capítulo registra o momento da decisão do homem em querer deixar a riqueza de viver a comunhão direta da presença de Adonai, para viver uma aventura de ser independente e responder por si só pelos seus atos, sem precisar consultar a vontade de Deus.

          Essa decisão de pegar todo o livre arbítrio que é a vontade do homem para ir a busca de sua satisfação está retratada na parábola do filho pródigo.

E disse: Um certo homem tinha dois filhos; E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda. E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente. E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades. E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos. E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada. E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti; Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros. E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou. (Lucas 15.11-20)

          Nessa parábola analisaremos os aspectos do comportamento humano, quando este decide no coração pecar contra os céus e contra Deus. Não consulta a vontade do Pai, exige o que lhe é de direito, deseja viver longe da correção. (vs.12-13)

          Você conseguiu destacar esses três aspectos citados acima no comportamento do homem que decide gastar tudo o que tem, o livre arbítrio?

          Não somos diferentes do filho pródigo! Vamos analisar nossas últimas vontades nesse dia! Elas foram para agradar a quem?

          Esse comportamento não é diferente do nosso quando queremos viver uma experiência em que aparentemente para o nosso coração e olhos parece ser agradável e desejável de provar. E vamos até ao pai e passamos a pedir quase que insistentemente a herança recebida, que é o livre arbítrio, o direito de viver o que desejamos (Rm. 8:5). E sem olhar para os olhos do Pai partimos, damos as costas para ele (Rm. 8:7).

          Olha para o texto da parábola e veja para onde o filho foi! Distante do Pai!

          Isso é muito comum, querermos nos afastar do lugar onde somos orientados através da Palavra para um ambiente distante de tudo que contraria o ego. Pois nos sentimos incomodados com as exortações e as disciplinas que vem por meio da Palavra. E nessa interfase do afastamento são constantes os pensamentos: “não estou feliz”, “esse ambiente não me agrada mais”, “quero ir para longe, quero viver a felicidade” (vs.13).

          Da mesma maneira procedeu o filho pródigo. Abandonou suas terras onde vivia com a família e sob os cuidados do seu pai, para viver em completa liberdade, sem precisar prestar contas de seus atos, numa região distante, junto a um povo com outros costumes e cultura. O texto retrata que quando ele parte leva consigo tudo o que possuía, sem deixar para traz nada que pudesse dar esperança de um possível retorno. Ele queria ficar livre das orientações e restrições impostas pelo pai, gastando tudo a seu bel prazer.

          Quantos pródigos estão sofrendo agora! E outros tantos estão no processo de requerer suas heranças! Mas uma coisa é certa: longe da Lâmpada para nossos pés e da Luz para o nosso caminho não há segurança e nem abundância de vida. Precisamos compreender que os amigos que curtem seu comportamento, que aplaudem suas decisões na hora da dor e da escassez vão embora (vs.14.).

          Jesus estava ensinando para os discípulos que todas as vezes que formos ao Pai pedindo a nossa herança, certamente a teremos, mas as consequências virão, e quando elas chegarem precisamos reconhecer que Deus não tem nada a ver com isso, pois foi a nossa vontade concedida, permitida ser gastada naquilo que estava no coração.

          Mas o grande amor de Deus vai estar sempre olhando para o caminho do retorno, sempre desejando que o arrependido volte, reconhecendo que na casa do Pai é o melhor lugar, e que a vontade do Pai é boa, perfeita e agradável.

          Jesus nos ensina fazer o caminho de volta sem que venhamos culpar Deus e nem tão pouco os amigos. “Pequei contra o céu e contra Ti. Não sou mais digno de ser chamado de teu filho”.

          Esse gesto do filho pródigo retrata o verdadeiro arrependimento, pois não houve acusações, justificativas, palavras de amargura e nem tão pouco pedido de desculpa, mas arrependimento seguido de uma decisão de retornar para confessar o erro.

          Arrependa-se, levante-se e corra para confessar sem culpar os outros.

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. (I João 1:9)

 

 

Apóstolos Valdemir e Margareth Carneiro

 

 

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

15dez 2016
Baixe o PDF aqui!

O ANO DA CHUVA DE BENÇÃOS DE DEUS EM MINHA VIDA.

 “Porque derramarei água sobre o sedento, e rios sobre a terra seca; derramarei o meu Espírito sobre a tua posteridade, e a minha bênção sobre os teus descendentes”. (Isaías 44:3)

Caminhar sobre a promessa de Deus é uma atitude de fé, determinação e perseverança. Esses três aspectos fazem a diferença de quem anda com Deus.

Falamos muito que andamos com Adonai, que Ele está presente em nosso dia a dia ou que aprecia nossas histórias. Contudo, pouco avaliamos se de fato suas Palavras fazem parte de nosso dia a dia. Se são elas que norteiam nossos sonhos, nossos empreendimentos, nossas decisões e até mesmo os nossos pensamentos. Se são elas a nossa fonte de vida, de alegria, de saúde e de força para superar os desafios que o mundo impõem. Continue lendo

29nov 2016
Baixe o PDF aqui!

SEMPRE COMIGO

“Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti”. (Isaías 43.2)

É muito reconfortante para nós sabermos que temos uma presença diuturnamente conosco, que não dorme e nem cochila. E além dessa presença grandiosa, maravilhosa, magnífica, poder contar com o Seu poder agindo ao nosso favor. Isso verdadeiramente nos traz paz, conforto, alegria e a firme convicção que venceremos todos os níveis de desafios.

Esse é o propósito que Deus tem para o homem, cuidar e proteger aqui na Terra e na eternidade, para sempre ao Seu Lado.

Continue lendo

29nov 2016
Baixe o PDF aqui!

ARREPENDIMENTO SEGUIDO DE RESTITUIÇÃO

          O evangelho de Jesus é verdadeiro e prático, ele não vai além daquilo que o homem pode viver. Pois a essência Dele é mudança de mentalidade e conduta a partir da regeneração promovida pela Palavra de Deus.

Vamos começar esse estudo lembrando do que Jesus ensinou para os que estavam lhe ouvindo.

10Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras.[…]21 Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.[…] 24Quem não me ama não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou. (João 14: 10,21,24)

Continue lendo

16nov 2016
Baixe o PDF aqui!

ARREPENDIMENTO, RETORNO E CONFISSÃO

          Arrependimento: pesar ou lamento pelo mal cometido; uma mudança de coração e mente.

          As sagradas escrituras a partir do capítulo 3 de Gênesis passam a tratar a respeito do tema arrependimento, retorno e confissão, pois nesse referido capítulo registra o momento da decisão do homem em querer deixar a riqueza de viver a comunhão direta da presença de Adonai, para viver uma aventura de ser independente e responder por si só pelos seus atos, sem precisar consultar a vontade de Deus.

          Essa decisão de pegar todo o livre arbítrio que é a vontade do homem para ir a busca de sua satisfação está retratada na parábola do filho pródigo.

Continue lendo

09nov 2016
Baixe o PDF aqui!

OUÇA A VOZ PROFÉTICA

          No reino de Deus o maior será sempre o mais humilde. Essa humildade é compreendida e manifestada pela atitude de servir ao Mestre e a seus irmãos (João 13:15).

          Na narrativa bíblica do livro de 2 Reis capítulo 3 podemos aprender 4 lições que se aplicadas em nosso dia a dia com precisão, evitaremos erros e agradaremos a Deus.

Primeira lição:

“E Jorão, filho de Acabe, começou a reinar sobre Israel, em Samaria, no décimo oitavo ano de Jeosafá, rei de Judá; e reinou doze anos. E fez o que era mau aos olhos do Senhor; porém não como seu pai, nem como sua mãe; porque tirou a estátua de Baal, que seu pai fizera. Contudo aderiu aos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, com que fizera Israel pecar; não se apartou deles.” (2 Reis 3:1-3)

  Continue lendo

28out 2016
Baixe o PDF aqui!

FESTA DOS TABERNÁCULOS

 

          Deus marca o nosso tempo e nos chama para celebrarmos a chegada desse momento por meio da Adoração ao Seu Santo nome. E com reverência a Sua Santa Palavra que habita em nosso meio, por meio do Espírito Santo é que celebraremos a Festa dos Tabernáculos em nossa cidade. É uma Santa convocação para todas as famílias da Terra. E assim faremos, nossa família biológica e espiritual juntas, celebraremos ao grande nome de Adonai.

          A Festa de Tabernáculos é a mudança do nosso calendário espiritual, é o Kairós de Deus sobre as nossas vidas. É o tempo de celebrar com fé na Palavra de Deus, tendo a certeza que receberemos o que foi determinado nesse tempo, pois o justo vive pela fé.

Continue lendo